[#25] Otávio Monteiro

Blue Dragon disse:
Não eram os adeptos do River Plate que também ficaram contentes com a venda do Falcao? Eu sei que o Funes Mori teve isso, não estou a fazer confusão com ele. Apenas me lembro de ter lido algo parecido quando o Falcao veio para cá.
Só sei que o Falcao era o novo Farías :lol:
Com todo o respeito por El Tecla, o avançado mais eficaz do campeonato português.
 

famaboys

Eterno #4
Manu disse:
Leo adolpho disse:
Sou brasileiro, acompanho óbvio o Campeonato Brasileiro, sempre acompanho os tópicos de vocês, pois faço um trabalho na faculdade relacionado ao futebol europeu e gosto muito dessa página. O que posso dizer sobre o Otávio, é que ele é visto aqui como uma "promessa", não atoa está na Seleção Brasileira Sub-21, ele é muito habilidoso e rápido, porém se vocês estão esperando algo excepcional pra agora, acho melhor vocês desistirem, tem muito a crescer ainda, com certeza o futebol europeu vai ajudar, mas isso vai um tempo. Abraços a todos os portistas.


Outro Brasileiro :D . Que continues a passar neste santinho depois do teu trabalho ter acabado. E que fiques torcedor do Porto tal como o grande Digil (o outro brasileiro)


Obrigado pela opinião, nao conheço o Otavio ;)

lenco-de-papel.jpg


Obrigado pela partilha Leo... E bem-vindo :)
 

NERU

Portista Divino
Obrigado pela minha parte também Leo, bem vindo e continua a visitar o forum e espero que te apaixones por este clube também tal com o Digil :compinchas:
 

Khal Drogo

Administrador
Membro do Staff
YIdxAtR.png


Otávio: pizzas e playstation para um agitador de elite

Reportagem-Maisfutebol: dos 240 quilómetros/dia para jogar futsal à explosão no Internacional com 17 anos; e no FC Porto? «Tratem bem dele

«Quer saber um pouco mais sobre o Otávio? Vou contar-lhe uma história que reflete o que ele é em campo: no primeiro jogo com a equipa profissional do Internacional ele entrou, jogou 14 minutos e bagunçou o jogo completamente. Ele é esse tipo de jogador, um agitador nato».

Nesse dia 15 de julho, em 2012, Otávio, ainda com 17 anos, dá o primeiro passo no Colorado. No banco, como assistente de Dorival Júnior, está Clemer Silva, histórico guarda-redes dos gaúchos.

Clemer é, aliás, a personagem principal no trajeto de Otávio até à chegada ao FC Porto: treina o menino de João Pessoa nos juvenis do Internacional, transforma-o de lateral em médio/avançado e leva-o pela mão, literalmente, ao primeiro treino nos seniores.

«Ele ligou ao pai, envergonhado, porque não queria ir sozinho. Mas o senhor Otávio estava a 4 mil quilómetros e pediu-me ajuda. O Otávio nem queria sair do carro, tive de pegar nele e ter uma conversa séria», conta o atual treinador dos sub23 do Internacional ao nosso jornal.

Otávio é, para Clemer, um jogador especial. «Não é conversa fiada. Repare: aos 17 anos ele teria ainda de ir aos juniores e depois aos sub23 do Internacional. Queimou todas essas etapas porque estava acima de todos os outros. Tem um potencial inacreditável».

No primeiro jogo, frente ao Santos (0-0), Otávio substitui Mike e cola-se ao flanco esquerdo. «É rápido, tem um bom drible, muita técnica e faz golos. É o tipo de atleta que chama logo a atenção. Além disso, é raçudo, gosta de recuperar a bola quando a perde».

Clemer, curiosamente, volta a ter um papel determinante em 2013. Dunga é demitido do cargo de treinador do Internacional e o adjunto assume o comando. Otávio torna-se um indiscutível nas opções iniciais.

«A médio? Não, nem pensar, não é jogador para o centro. O Otávio tem de jogar nas linhas, a extremo, seja na direita ou na esquerda. Tem velocidade e procura bem o cruzamento. Não creio que seja uma opção forte para o meio-campo», vinca o ex-treinador e amigo.

Terá Julen Lopetegui a mesma opinião?

240 quilómetros diários para jogar futsal em Recife

Filho caçula de dona Cláudia Mendes e seu Otávio Júnior, o jogador do FC Porto revela desde os verdes anos uma inclinação obsessiva pelo futebol.

«Se a bola não andasse por perto, ele era o que é hoje: fechado, carinhoso, amável, uma criança boa», conta a mãe de Otávio, numa conversa com o Diário Gaúcho. «Com a bola ele ficava doido, não pensava em mais nada».

Bem-humorado, o pai do internacional sub21 brasileiro diz que Otávio só se perde de igual modo por outra paixão. Ou melhor, perdia. «Ele adorava pizzas. Devorava tudo. Mas depois ele ganhou um pouco de peso [Dunga não gostou nada] e fechou a boca. Para ele não comer demasiado, eu devoro tudo. É por isso que sou diabético, mas pai é pai».

A família Monteiro, percebe-se facilmente, é muito unida. E assim continuará, mesmo com a mudança de Otávio para Portugal.

«Aos 11 anos ele deixou a equipa de João Pessoa. Foi jogar futsal para o Santa Cruz do Recife. 120 quilómetros para lá, 120 quilómetros para cá. Levava-o e trazia-o todos os dias. Só posso estar muito feliz com tudo o que o meu filho está a conseguir», recorda Otávio Júnio.

A mãe, Cláudia, ainda imagina o filho de fato e gravata, a cursar Direito. «Sim, adorava, mas o mais importante é ele estar feliz, a fazer o que gosta e a perseguir os sonhos».

As noitadas a jogar playstation no Beira-Rio

Otávio deixa de ser Otavinho e em 2009 muda-se para Porto Alegre. Deive Bandeira, o seu primeiro treinador no Internacional, recorda ao Maisfutebol o impacto imediato criado pelo novo dragão.

«Aos 14 anos fazia tudo bem: controlo de bola, passe, drible, remate. Em dois treinos fiquei convencido. Informei logo os responsáveis do clube: temos aqui um diamante. Não me enganei».

Nessa altura, Otávio divide um apartamento com mais cinco colegas do Internacional, nas imediações do Beira-Rio. Nenhum dos outros chega, pelo menos com a mesma urgência, ao patamar do antigo colega de apartamento.

«Era diferente, sim. Mais evoluído em tudo. Problemas? Aquelas coisas de criança. Ficava até tarde a jogar playstation, a alimentação não era a ideal, mas só isso», conta o senhor Deive Bandeira.

«Otávio faz parte da elite: tratem bem dele»

Na parte de trás do pescoço, Otávio tem tatuada a data de nascimento do avô. No corpo já não transporta os exageros impostos pela fast-food. No telemóvel recebe, todos os dias, dois telefonemas dos pais.

Dentro do campo, assegura-nos Clemer, continua a ser devotamente agitador. «Falei com ele quando saiu do Internacional. Estava muito motivado. O futebol europeu exige capacidade física e o Otávio garante isso. Se ele se concentrar e pensar só em futebol, vai rebentar».

O FC Porto é «o passo certo» do jogador-revelação do Brasileirão 2013. Tudo certo, mas falta uma questão: em 2014, Otávio passa a ser muito menos vezes utilizado no Internacional [16 jogos em oito meses, só 7 a titular]. Por que razão?

Clemer Silva explica: «Eu deixei de ser o treinador da equipa principal, fui para os sub23. Entrou o Abel Braga, trouxe muitos jogadores novos, um sistema tático diferente e, ainda por cima, o Otávio parou entre fevereiro e abril devido a uma lesão. Perdeu espaço».

A despedida é feita em tom de aviso: «atenção, o Otávio é um dos melhores futebolistas brasileiros da atualidade. Faz parte da elite. Tratem bem dele».
 

famaboys

Eterno #4
Enigmatic! disse:
«Otávio: pizzas e playstation para um agitador de elite»

Foi por causa disto que eu o disse.

Só por causa disso? É que convém ler a notícia e o teu comentário não tem tanta razão de ser.
 

Enigmatic

Portista Divino
Pensava que tinha sido mais caro, sendo assim, espero que demonstre em campo que foi uma pechincha.
 

Enigmatic

Portista Divino
EUxgn1z.png


"Estou muito feliz no Porto"

Otávio, jovem brasileiro do FC Porto, está encantado com as primeiras semanas de trabalho no Dragão.

O jovem médio Otávio, do FC Porto, chegou no último dia do mercado a Portugal, mas já se rendeu ao clube e à cidade. O jogador, de 19 anos, garante estar muito feliz com os primeiros dias de trabalho na Invicta e revela que Hélton, veterano guarda-redes dos dragões, tem sido "uma grande ajuda" na integração.

"Estou muito feliz no Porto. Fui muito bem recebido e, como o plantel tem vários brasileiros, tudo fica mais fácil. O Hélton ajuda-me bastante e aconselha-me, assim como os outros jogadores. É um exemplo para todos. Como pessoa e como profissional", começou por dizer, em declarações ao "Globoesporte".

"Os meus pais também estão a morar comigo, o que ajuda bastante. Tudo é tranquilo por aqui. As pessoas falam a mesma língua e, claro, fica mais fácil", acrescentou.

O avançado, que assinou pelos azuis e brancos, depois de três épocas no Internacional, apontou dois dos sete golos do FC Porto B, ontem, na goleada ao Olhanense. O jovem brasileiro não esconde o encanto, mas ainda não se sente totalmente adaptado.

"O Estádio do Dragão é muito bonito. É um lugar espetacular. Mas estou ainda a conhecer a cidade. Cheguei há poucos dias e ainda não consegui ver tudo", concluiu.
 
Top