Análise do Plantel

Rui

Portista Lenda
IMG_20220923_115351.jpg


Olhando para o plantel esta é uma das formações em que se pode trabalhar com alguma qualidade em todas as posições e que, citando o que já escrevi noutro tópico qualquer, funcionaria assim:

Pepê seria o responsável por dar largura à direita, função que à esquerda seria entregue a Galeno que teria também a missão de juntamente com Toni atacarem a profundidade. Estes três jogadores seriam fundamentais para obrigarem os adversários a abrirem mais um pouco na tentativa de marcar mais próximo e também a defenderem mais atrás para não tarem tão expostos nas costas da defesa. Isto abriria espaço para Taremi e Otávio jogarem por dentro e receberem a bola em posições mais privilegiadas. Wendell e Uribe ficariam mais presos para apoiarem diretamente a dupla de centrias, soltando assim Grujić para apoiar os atacantes mais de perto, servindo como ponto de referência, com a missão de receber a bola e jogar simples, evitanto expôr a equipa a contra ataques desnecessários.

Nos lances em que a bola é perdida Otávio e Grujić seriam os principais pressionadores numa primeira fase, recorrendo à "faltinha" para a equipa reagrupar. Isto é especialmente importante para o Pepê não ser apanhado sozinho na ala.

Depois temos a opção mais clássica:

IMG_20220923_113928.jpg


Na versão 4-3-3 clássico faria algumas alterações ao onze para procurar outras dinâmicas:

Os laterias seriam Zaidu e João Mário, sendo o português o lateral menos ofensivo devido à presença de Pepê na ala a funcionar como extremo. O nigeriano teria liberdade máxima para subir no terreno, aproveitando os movimentos interiores de Taremi. André Franco teria a função de pegar no jogo mas com a nuance de abrir ligeiramente à esquerda para equilibrar a equipa. Otávio seria um box to box — o principal apoio de Uribe e a sombra de Evanilson.

Fontes: as vozes na minha cabeça e 17 anos de Football Manager.
 

24hdragao

Only One Race The Human Race
View attachment 3448

Olhando para o plantel esta é uma das formações em que se pode trabalhar com alguma qualidade em todas as posições e que, citando o que já escrevi noutro tópico qualquer, funcionaria assim:

Pepê seria o responsável por dar largura à direita, função que à esquerda seria entregue a Galeno que teria também a missão de juntamente com Toni atacarem a profundidade. Estes três jogadores seriam fundamentais para obrigarem os adversários a abrirem mais um pouco na tentativa de marcar mais próximo e também a defenderem mais atrás para não tarem tão expostos nas costas da defesa. Isto abriria espaço para Taremi e Otávio jogarem por dentro e receberem a bola em posições mais privilegiadas. Wendell e Uribe ficariam mais presos para apoiarem diretamente a dupla de centrias, soltando assim Grujić para apoiar os atacantes mais de perto, servindo como ponto de referência, com a missão de receber a bola e jogar simples, evitanto expôr a equipa a contra ataques desnecessários.

Nos lances em que a bola é perdida Otávio e Grujić seriam os principais pressionadores numa primeira fase, recorrendo à "faltinha" para a equipa reagrupar. Isto é especialmente importante para o Pepê não ser apanhado sozinho na ala.

Depois temos a opção mais clássica:

View attachment 3449

Na versão 4-3-3 clássico faria algumas alterações ao onze para procurar outras dinâmicas:

Os laterias seriam Zaidu e João Mário, sendo o português o lateral menos ofensivo devido à presença de Pepê na ala a funcionar como extremo. O nigeriano teria liberdade máxima para subir no terreno, aproveitando os movimentos interiores de Taremi. André Franco teria a função de pegar no jogo mas com a nuance de abrir ligeiramente à esquerda para equilibrar a equipa. Otávio seria um box to box — o principal apoio de Uribe e a sombra de Evanilson.

Fontes: as vozes na minha cabeça e 17 anos de Football Manager.
Optava claramente pelo 433, mas com o Manafa a titular, o Eustáquio no lugar do Uribe (tem estado medonho e assim vai ficar se não renovar), com o Veron a titular e o Taremi/Toni no lugar do Eva.
 

Rui

Portista Lenda
Optava claramente pelo 433, mas com o Manafa a titular, o Eustáquio no lugar do Uribe (tem estado medonho e assim vai ficar se não renovar), com o Veron a titular e o Taremi/Toni no lugar do Eva.
Eu ainda não confio totalmente no Veron, mas espero que no futuro consiga agarrar um lugar.

Quanto mais olho para as imagens mais força ganha na minha cabeça a ideia de que, se calhar, de futuro seria melhor apostar mais um bocado na qualidade e menos na quantidade...
 

oblik

Portista Divino
Não consigo conceber a primeira versão: um meio-campo com Uribe e Grujic? Matar ainda mais o meio-campo? Não dá, não é sustentável ir por aí.

4-3-3 com Taremi a PL e Grujic à frente da defesa.
 

Rui

Portista Lenda
Não consigo conceber a primeira versão: um meio-campo com Uribe e Grujic? Matar ainda mais o meio-campo? Não dá, não é sustentável ir por aí.

4-3-3 com Taremi a PL e Grujic à frente da defesa.
A minha teoria está baseada em duas ideias:

1) com a presença de quatro jogadores ofensivos (dois extremos, um médio atacante, e um ponta de lança) seria importante ter alguém que desse mais segurança junto ao 6.

2) O Grujić, na minha opinião, é alguém que pode acalmar a equipa com bola em vez de se procurar sempre o ataque rápido.
 

oblik

Portista Divino
Espero que tenha servido para alterar sistemas... é que olhando para quem marcou os golos, parece muito pouco que estamos a testar coisas novas... Pepê, Toni, Evanilson e Veron.

Isto é 4-4-2 ou 4-2-4.
 

oblik

Portista Divino
A minha teoria está baseada em duas ideias:

1) com a presença de quatro jogadores ofensivos (dois extremos, um médio atacante, e um ponta de lança) seria importante ter alguém que desse mais segurança junto ao 6.

2) O Grujić, na minha opinião, é alguém que pode acalmar a equipa com bola em vez de se procurar sempre o ataque rápido.

Não tens nem quem transporte bola nem quem crie. Manténs o problema atual de não haver qualquer criatividade no meio campo, não tens laterais de quem podes depender para dar profundidade e entregas a construção aos extremos.
 

Rui

Portista Lenda
Não tens nem quem transporte bola nem quem crie. Manténs o problema atual de não haver qualquer criatividade no meio campo, não tens laterais de quem podes depender para dar profundidade e entregas a construção aos extremos.
Para criar jogo teria o Otávio e o Taremi. Mas obviamente que todos os onzes têm problemas, mas aí é que podemos tirar vantagem de termos um plantel feito à toa: no banco há tanta diversidade de jogadores
 

Rui

Portista Lenda
Qual é a diferença para o que acontece hoje então?
Pelo que eu vejo o que tem acontecido ultimamente é uma tentativa de jogar com toda a gente por dentro, mesmo o Pepê a "10", deixando os dois laterais em simultâneo com a responsabilidade de dar largura ao ataque. Isto tem deixado a defesa demasiado exposta e não tem compensado porque o Evanilson e o Taremi têm sentido dificuldades em atacar a profundidade e o pessoal do meio campo não consegue fazer uma jogada que não seja precipitada.
 

DLX17

DLX17
Screenshot_20220924_120232_com.google.android.apps.docs_edit_513174216331070.jpg


Interessante... Só acho que o David Carmo terá de ser sempre o central do meio e o Pepê nunca poderá ser o 10 mas sim o ala direito.
 
Top