• A Administração do fórum gostaria de comunicar a todos os membros que não reconhece a existência de grupos secretos onde decorrem conversas paralelas e possíveis apostas da fantasy league do Europeu. Qualquer relato do gênero é pura fantasia e decorrente do consumo de álcool exagerado de alguns membros. Assinado Admin SomosPorto

António Lourenço - O Trompetista do Dragão

Nuno90

Portista
No final da partida de ontem, em que o Porto bateu o Sevilha por 2-1, o treinador dos dragões dedicou a vitória a Emídio Rafael, jogador que está lesionado, e "ao Lourenço trompetista". Em Junho do ano passado, e a propósito da moda das vuvuzelas do Mundial da África do Sul, a Renascença foi conhecer Lourenço, o trompetista a quem Villas-Boas dedicou a vitória de Sevilha. Relembre a história de um homem que ofereceu aos relvados a subtileza dos sons. 18-02-2011 13:15 por Maria João Cunha com Letícia Amorim

"Então é isto…". A expressão de Lourenço não tem nada de espanto como não tem de desilusão. Chegamos ao local onde vamos filmar a reportagem, pousamos o material numa mesa e ele pega na corneta de plástico laranja pela primeira vez. Faz pressão com os lábios e expele ar. Um ronco grave. Depois um agudo. "Afinal, isto dá duas notas!". E Lourenço repete os roncos. Uma pausa, de novo a pressão no rosto e nos lábios, à procura de algo mais… E a conclusão: "É só isto".

Depois do primeiro teste e da verificação, Lourenço, trompetista de meio século, passa rapidamente ao campo da Física. Tece algumas explicações sobre a vibração do ar, a pressão, a relação da intensidade com a frequência do som. E simplifica: "isto faz lembrar as cornetas militares". De facto, as semelhanças são expressivas: um tubo, com um bucal numa ponta e uma campânula na terminação. A fazer lembrar a forma de um corno, precisamente a origem mais remota dos instrumentos da família dos metais (aerofones), em que o ar não precisa de cordas ou de membranas para vibrar. "No trompete, a diferença está nos pistões", que permitem alongar ou encurtar o tubo, "por isso consigo produzir notas diferentes e não apenas uma oitava, como na vuvuzela". Lourenço continua a explicação: "Se o tubo da vuvuzela fosse mais curto, teria sons mais agudos e, se tivesse furos, conseguia produzir notas diferentes". Mas nem por isso mais agradáveis.

A magia de um jogo
Lourenço é o trompetista que habita o estádio do Futebol Clube do Porto. Nos grandes jogos, lá está o som do seu trompete, irrompendo, a espaços, entre os cânticos ou o quase-silêncio. Tem, por isso, certa propriedade para falar do espectáculo que vai fora das quatro linhas, profissional que é do apoio a um clube, experimentado animador de jogos de futebol. "Sou totalmente contra as vuvuzelas", diz. Para prosseguir: "O ruído de fundo é muito desagradável e perturbador. Apesar de isolado, o instrumento poder ter alguma graça. Em conjunto, assemelha-se a muitos enxames de abelhas e torna o jogo impossível de ver". Ou de ouvir. Lourenço já desliga o som da televisão, tal é a intolerância.

Lourenço lembra a lógica do espectador que é também actor neste tipo de espectáculo. Como os metais que acompanham a selecção holandesa ou o bombo do "Manolo de Valência", que ecoa sempre que joga a "Fúria Vermelha". São os adeptos que animam os jogos. São conhecidos e reconhecidos elementos da equipa que apoiam.

"Ainda há uns dias, alguns jogadores que foram campeões europeus, como o Jaime Magalhães, o Frasco, o Fernando Gomes e outros, me diziam: ‘Quando a gente ouvia o trompete, já sabia que estava lá a claque do Porto, com o Lourenço Trompetista. Às vezes, até estávamos um pouco em baixo, mas ouvíamos o trompete e a malta andava para a frente’". E Lourenço sorri, na perspectiva do reconhecimento. O mesmo não dirá hoje Ronaldo dos tocadores de vuvuzelas.

Cristiano Ronaldo é "endeusado"
"O Queiroz é um indivíduo com quem simpatizo. Mas tem parte da crítica contra si, porque não é anti-portista, dá-se muito bem com o Pinto da Costa, vem muitas vezes ao Estádio do Dragão e há muita gente em Lisboa que não gosta dele", assevera Lourenço.

E de Queiroz a Scolari vai uma grande distância. "Em princípio, sou defensor do Carlos Queiroz, mas não gostava nem um bocadinho do Scolari", responde, justificando de seguida: "Scolari era ‘anti-Porto’ e por causa da vergonha que foi a sua opção de não convocar o Vítor Baía para o Euro 2004. Deu-se ao luxo de não ter vindo sequer ao Dragão ver um jogo", recorda. E continua crítico para o brasileiro: "Podia perfeitamente ter ganho o Europeu, Portugal perdeu por causa dele. Não foi um ganhador, mas ganhou muito dinheiro em Portugal e a nível desportivo não trouxe nada", remata.

O "trompetista das Antas", como ainda lhe chamam diz que há um "endeusamento" da figura de Cristiano Ronaldo. "Na nossa selecção foi o Eusébio, depois foi o Figo, o Rui Costa e agora é o Ronaldo. Mas o desporto é colectivo", dribla, antes de chutar: "Até foram os jogadores do Porto que garantiram o apuramento, mas disso ninguém fala".

Das romarias aos "futebóis"
Filho de pai fadista, Lourenço nunca foi à bola com a "canção da desgraça", um género que o etnógrafo Armando Leça (citação do próprio) dizia só se dar bem "nas vielas escuras da Alfama e da Mouraria", lá na capital. Identificava-se mais com outros ritmos – como o "Vira" e o "Malhão" –, os que estão no ADN de uma parte do povo português que é naturalmente alegre.

O trompete chegou-lhe às mãos aos 15 anos. Começou na banda da Foz do Porto. Pelo caminho, experimentou muitas mais, tocou em conjuntos de baile, entrou no Conservatório já depois de virar os 40 e "com quatro filhos para sustentar". E calcorreou toda e qualquer romaria que se fizesse mais a Norte.

Foi num "célebre" Porto-Benfica, no Pavilhão Américo Sá, já Pinto da Costa presidia ao Futebol Clube do Porto – corria o ano de 1983. "O pavilhão levava cinco ou seis mil pessoas, estavam dez mil, foi uma coisa louca", recorda, "nunca o Porto tinha ganho um título de hóquei em patins".

Logo um elemento da claque dos Dragões Azuis, entretanto extinta, o convida a fazer parte da falange de apoio. É assim que Lourenço começa a acompanhar o FCP para todo o lado. Nunca mais deixou de tocar em competições e em festas do clube. Nem consegue dizer quantas.

Hoje já não anda com as claques, não tem paciência, mas continua a ter lugar cativo no Dragão. Bem por cima da claque do adversário, um lugar que escolheu "para provocar um bocadinho". E confraternizar. No repertório tem sempre à mão um "Bailinho da Madeira" para os insulares, ou um "God Save the Queen" para os adeptos britânicos. "Só com os de Lisboa é mais complicado", diz, por causa das eternas rivalidades. E entre risos recorda o momento de inspiração em que lhe ocorreu dedicar-lhes a marcha fúnebre de Chopin.

in http://rr.sapo.pt/informacao_detalhe.aspx?fid=25&did=5378

O HOMEM DO TROMPETE
Os adversários do FC Porto bem gostariam que ele fosse tocar para outras bandas. Contudo, se a saúde e o vigor não o traírem, António Lourenço, 65 anos, tem determinação e vontade suficientes para mais 20 anos de concertos de trompete nos jogos dos dragões da Invicta.

Mesmo nos dias de frio, chuva e intempérie, abrigado numa capa de marinheiro, este fã de Louis Armstrong corresponde ao apelo dos adeptos. Enquanto visionam as peripécias da partida, eles podem ouvi-lo incentivar a equipa e "dar música" aos jogadores antagonistas.

"Tenho um repertório muito amplo, que vai da música popular e folclórica portuguesa à clássica, passando pelas marchinhas brasileiras e até o jazz. Este ano, vou inovar um pouco, interpretando música mexicana", antecipa.

Além da marcha e do hino do FC Porto, a platéia das Antas costuma delirar com as versões solísticas para as aberturas da óperas "Guilherme Tell", de Rossini, "Aida", de Verdi, "Carmen", de Bizet e o "Bolero", de Ravel. Numa vertente mais popular, o "Ó Malhão, malhão" e o "Zumba na Caneca" são das mais requisitadas", enumera.

Embora o grémio das Antas já tenha ganho sem os seus recitais e perdido ao som das suas performances, a presença do "trompetista dragão" tornou-se um talismã. Aliás, a aparição do duo nas bancadas coincidiu com o início das gloriosas épocas portistas.

"Foi lá pelo ano de 1982. A estreia aconteceu num Porto-Benfica em hóquei em patins, em que nos sagrámos campeões. Como deu certo, decidi tocar em todos os jogos que pudesse e não só nos de futebol", lembra.

Juntamente com a claque "Dragões Azuis", António Lourenço começou a percorrer o País. Menos frequentes são as viagens ao estrangeiro, embora algumas delas tenham sido memoráveis.

"Já estive em Barcelona, Corunha e noutras cidades. Mas, sem dúvida, a mais épica foi aquela que fiz a Bremen, quando o Porto esmagou o Werder (5-0), no tempo do Bobby Robson. Fiz mais de 5600 kms num autocarro, mas valeu bem o esforço", recorda.

Muita gente julga que o "trompetista dragão" é apenas um dedicado amador. Embora a actividade principal seja a de publicitário, a música é a sua outra paixão.

"Toco desde os 15 anos, já fui músico de dezenas de bandas e conjuntos. Aos 44, diplomei-me no Conservatório de Música do Porto. Actualmente, sou trompetista na Banda de Rio de Moinhos", confirma.

Outros - embora sem maldade - pensam que ele recebe do seu "Porto" um cachet pelas atuações. Ou que, pelo menos. lhe pagam as viagens e as refeições. Contudo, a única regalia que aceita é o cartão de livre trânsito.

"Faço tudo por amor à camisola azul-e-branca. Um clube que servi como atleta na natação, ginástica e basquetebol. De resto, sou um adepto como os outros, só que toco trompete", filosofa o músico.

in http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/sport/desporto/o-homem-do-trompete

Quero dedicar isto a um dos grandes símbolos da mística azul e branca... este nem precisou de calçar para se tornar uma lenda, mas é o reflexo do adepto do Porto à antiga! :prayer:
 

HG11

Top Poster aka jugador de Porto
é ele que costuma estar no Dragão Caixa? ou já é outro? lembro-me sempre do o ouvir nas antas e no jamor :prayer:
 

Pai Hans

Conhecido anteriormente por Tio
Membro do Staff
É ele. Bom trabalho, Nuno. O sr. Lourenço já merecia.
 

playah

Novato
Membro do Staff
Mítico. Lembro-me de ir com o meu pai ao café ver os jogos (eu com os meus 5 ou 6 anos) e ouvi-lo. <3
 

José Duarte

Portista Titular
Ontem estava no dragão caixa nao estava?
e incrivel a longevidade deste homem e a sua presença
nuno :prayer: Sr. Lourenço :prayer: :prayer: :prayer:
 

José Duarte

Portista Titular
estava sim senhor deu o Tiago dar um abraço ao senhor
os jogadores de certeza que têm um enorme respeito por ele , pelo menos os mais antigos
 

Nuno90

Portista
Conheço, pessoalmente, António Lourenço, o Homem do Trompete, há mais de 20 anos e tenho por ele e pela forma como ele vive o F.C.Porto uma grande admiração. Lourenço é um dos que aplica com toda a propriedade, o lema, o F.C.Porto não se apregoa, pratica-se. Para mim é um VIP, para mim é alguém que não fica à espera do que o clube pode fazer por ele, faz ele pelo clube. Está no futebol, está nas modalidades, está, onde está a sua grande paixão, o F.C.Porto. Sempre que solicitado, também lá está ele nos aniversários das casas, nos convívios entre Dragões ou a homenagear, com o som da sua famosíssima Trompete, algum atleta do F.C.Porto que se notabilizou. Por exemplo, foi assim, quando Fernanda Ribeiro foi Campeã Olímpica. Já em Portugal, depois de dormir não sei quantas horas - 14, Lourenço? -, Fernanda foi acordada ao som de uma música do Lourenço, que se deslocou, de propósito, até casa dela e lhe prestou o tributo merecido pela conquista da medalha de ouro que tanto prestigiou o F.C.Porto e o país. Porque para além de tudo, é um grande contador de histórias, em particular sobre o F.C.Porto, tinha combinado com ele uma entrevista para o Dragão até à morte, a fazer um dia destes... Mas Lourenço foi à Cadeira de Sonho e o programa correu tão bem, muitas das histórias já foram contadas, que a entrevista perdeu interesse, deixou de fazer o mesmo sentido. Assim, em vez da entrevista, optei por António Lourenço na Cadeira de Sonho do Porto Canal, na Rádio Renascença, no Record e no wix.com

http://dragaodoente.blogspot.pt/

vou tentar meter isto no nosso canal!!
 

oblik

#neymarémodakelvinéfoda
stock-photo-gold-guy-digging-with-a-shovel-42701806.jpg
 
Top