[Blog] Crónica Futebolística

Tópico em 'Crónicas Somos Porto' iniciado por Saron a 30 Ago 2012.

  1. Quanto a este tema, acho que o que faltou mesmo à selecção alemã foi irreverência. Senti sempre a equipa muito presa à estratégia inicial.
     
  2. Saron

    Saron Novato

    Registo:
    20 Jul 2011
    Mensagens:
    175
    Gostos Recebidos:
    0
  3. Saron

    Saron Novato

    Registo:
    20 Jul 2011
    Mensagens:
    175
    Gostos Recebidos:
    0
  4. Saron

    Saron Novato

    Registo:
    20 Jul 2011
    Mensagens:
    175
    Gostos Recebidos:
    0
    [​IMG]


    "Porque é que a seleção inglesa não tem a mentalidade vista na Premier League?"


    Esta pergunta/afirmação foi colocada ontem nos comentários do Inglaterra - Ucrânia pelo narrador Paulo Pedrosa na SPORT.TV, jogo qual acabou empatado a uma bola. Os ingleses sofreram e só mesmo de grande penalidade conseguiram arrecadar um ponto no seu país naquele que foi um reencontro das duas nações depois da vitória dos britânicos no EURO (iriam acabar por ser eliminados na fase seguintes aos pés da Itália comandada por Prandelli e, dentro das linhas, Pirlo). Uma exibição pouco inspirada, previsível e monótona caracterizou os 90 minutos da formação de Hodgson, já criticado pela exibição e pelo trabalho, em geral, elaborado na seleção. Coloca-se em questão, neste momento, as diferenças das mentalidades implementadas nas equipas da Premier League e na própria seleção inglesa. A culpa é dos jogadores, do (pouco) carisma de Hodgson ou dos acontecimentos inglórios que já marcaram a seleção dos três leões?


    A Premier League é para muitos a melhor liga do mundo. Nessa observação não tenho objeções, já que neste caso eu próprio concordo com isso. Pode não ter a qualidade tática italiana ou espanhola, mas o futebol ganha muito pela emoção. O futebol é o desporto rei, movido por paixão e sentimentos. Um deles é a raça, onde lá todos a transpiram até ao árbitro apitar pela última vez num jogo. Duelos aguerridos, raçudos e disputados até ao último instante caracterizam o campeonato onde jogam todos os 23 convocados nesta última dupla jornada de seleções.


    Outro registo impressionante é esse mesmo: todos os jogadores habitualmente convocados jogam dentro de portas. Isto é algo que no futebol português (puxando a brasa à minha sardinha, claro está) não acontece e, mais, é completamente impensável. Normalmente um número maior do que a metade dos 23 - arredondado para 12 aqui - joga no estrangeiro, sendo a Espanha o destino mais requisitado, contando com 8 da totalidade dos convocados por Paulo Bento.


    Ora, o facto de haver uma totalidade de jogadores a jogar no mesmo país como na Inglaterra deveria gerar uma explosão de raça, carisma e outras virtudes impulsivas que, na teoria, iriam dar agressividade nos processos ingleses, sobretudo na transição defesa-ataque, onde houve jogadores como Lampard e Gerrard para exercerem as funções de carregar a bola pelo miolo com mais subtileza, havendo desequilibradores como Oxlade-Chamberlain na esquerda e Glen Johnson na direita (que como habitual foi o defesa mais interventivo no ataque). Resumindo e repetindo... esperava-se a Inglaterra que os adeptos tanto expectavam. Rápida, aguerrida, agressiva, clara e objetiva. Mas claro que a Ucrânia não nenhum saco de boxe Aliás, e um dado curioso, se houve uma formação determinada e que aparentava querer vencer foi a da Ucrânia. Guiada em campo por uma autêntica pulga os homens de leste foram ossos duros de roer.


    Os papéis inverteram-se. Apesar da Inglaterra ser claramente favorita para este encontro mostrou, em Wembley, mostrou ser uma equipa desfalcada de um fator "especial", teve pouca clarividência no ataque e estava muito fragilizada em todos os processos e momentos do jogo. Bem, quase. A verdade é que (mais uma vez) Hodgson não soube montar uma equipa "à inglesa". A exibição fraca e aborrecida falou por si.


    [​IMG]


    Se há alguma individualidade que convém destacar, é claramente o menino de cima. Yevhen Konoplyanka, atleta do Dnipro, encantou num dos maiores estádios do mundo. Marcou, encantou e fez o que quis com Glen Johnson. Sim, apesar de já ter elogiado a rapidez do lateral direito do Liverpool esta mesma teve pouco efeito frente ao 19 ucraniano que parecia ter foguetes nos pés. É rápido, objetivo, inteligente na maneira como vê as movimentações dos colegas (como exemplo há um excelente lance na 2ª parte que dá quase auto-golo de Leighton Baines) e é claramente alguém para observar devidamente. Vejam lá... até já compararam os seus dribles com o de outra pulga. Imaginem quem...


    Mudando de assunto e terminando com este tópico pode-se concluir que são notórias as diferenças de mentalidades e realidades competitivas assimiladas pelos atletas dos clubes para a seleção. Existem variadas razões para o explicar, desde a má interpretação dos momentos de jogo por Hodgson até às marcas deixadas pelo incidente de Terry/Bridge e pelas queixas de racismo de Anton Ferdinand (irmão de Rio) face a John Terry. Tudo isto dá uma impressão negativa do grupo de trabalho e deixa um ambiente duvidoso no ar.

    Em Outubro é tempo de tomar conclusões mais fundamentadas, depois dos compromissos internacionais da Inglaterra. Ou vai ou racha para Hodgson, diria. Num momento oportuno o jornalista Paulo Pedrosa pegou nesta questão das diferentes mentalidades sentidas em duas realidades distintas. É, sem dúvida, um tópico para analisar e esmiuçar, tentando dissecar a questão e encontros vários pontos de situação. Os três leões ingleses podem-se ter esquecido do que é triunfar e, mais importante, ter a mentalidade apropriada para tal?


    http://cronica-futebolistica.blogspot.pt/2012/09/o-esquecimento-dos-tres-leoes.html


    e [SIZE=78%]https://www.facebook.com/CronicaFutebolistica[/SIZE]
     
  5. Saron

    Saron Novato

    Registo:
    20 Jul 2011
    Mensagens:
    175
    Gostos Recebidos:
    0
  6. Saron

    Saron Novato

    Registo:
    20 Jul 2011
    Mensagens:
    175
    Gostos Recebidos:
    0
  7. Saron

    Saron Novato

    Registo:
    20 Jul 2011
    Mensagens:
    175
    Gostos Recebidos:
    0
    [​IMG]


    Como se sabe o Brasil teve o projeto vencedor para ser o anfitrião do Mundial de 2014, assim como o Rio de Janeiro terá que albergar os jogos Olímpicos dois anos depois. Isto coloca, sem qualquer dúvidas, pressão na seleção agora liderada por Mano Menezes, visto que "as equipas da casa são sempre as favoritas." A canarinha é habitualmente a que mais se destaca na zona de qualificação para a maior prova de seleções do mundo, mas desta vez tem apuramento direto, o que deixa a zona sul-americana com 9 equipas, folgando uma em cada compromisso internacional. O facto dos brasileiros não constarem nesta fase colocou o mediatismo noutros pontos de vista, sendo um deles a Colômbia que vem tendo uma prestação de topo, ocupando o 2º lugar atrás da extravagante argentina de Messi, Higuaín e Di María.


    Pode-se dizer e muito bem que o fator principal para o sucesso dos colombianos é a entrada de Pékerman na equipa técnica, para treinador principal do grupo. Uma escolha de categoria, não tivesse ele experiência em 7 campeonatos do mundo (!), sendo 6 deles repartidos pelos sub-17 e sub-20 argentinos. Em 2006, no mundial da Alemanha (o qual ficou marcado por uma cabeçada inglória) Pékerman teve a sua grande oportunidade como treinador principal. É certo que podia ter levado os albicelestes ao topo do mundo, mas a lotaria das grandes penalidades não lhes foi favorável. Tal campanha positiva deixaria qualquer grupo de trabalho contente por receber esta velha raposa do futebol.


    Mas muitas vezes dá-se a maior fatia do mérito a quem está dentro do campo. A quem segue a bola, vigia-a, transpira e luta por ela. E, convenhamos, com razão. Apesar de Pékerman estar a aproveitar muitíssimo bem os recursos de criatividade e rapidez na transição da Colômbia, os jogadores também têm estado irrepreensíveis em várias vertentes. Em destaque dois conhecidos do nosso futebol, Falcao e James. Diga-se então que neste momento tudo se faz ao ritmo do tigre. No último duplo compromisso internacional deu a entender que a equipa está bastante dependente deste predador. Também diria que seria estranho uma equipa tê-lo dentro de campo e não estar (muito) dependente dele. Qualquer um notaria que Radamel é fundamental de várias formas, sendo um avançado bastante completo. Primeiramente, sempre que vai à área causa uma quantidade considerável de perigo, ou seja, raramente mostra uma faceta de perdulário. É eficaz e os grandes artilheiros também se fazem disto. Sempre que pega na bola faz os adversários tremer. Ponto.


    Pékerman faz, também, algo que Vítor Pereira raramente se aventura a explorar. A possibilidade de colocar James a 10. Foi o que fez frente ao Chile naquela vitória categórica onde ele mesmo fez um golaço de livre direto. Daí uma das razões para estar em destaque, claro. Mas o que mais me intriga são as diferenças de rendimento dum lugar para o outro. No Porto sabe-se que atua a extremo, nada de novo aí. Colado à linha não é possante, é ágil. Consegue arranjar espaços improváveis e daí o lugar mais indicado para ele seria no apoio o Jackson, no Porto.


    Mas compreende-se que no sistema tático dos campeões nacionais o máximo que ele pode fazer é virar esporadicamente para uma zona mais interior sem se fixar, até porque Lucho e Moutinho são muito interventivos na manobra ofensiva. Um está sempre à espera da ressaca fora da grande área, enquanto o outro conduz a bola para ela. Isto faz com que a possibilidade de James virar para o centro seja significativamente menor. Se há a referir pontos pró, a constante utilização dos laterais no ataque (neste caso Alex Sandro) é um ponto que pode empurrar o jovem para a outra zona.


    De qualquer das formas a seleção da Colômbia está a ter um destaque bastante positivo, sendo o 4x4x2 diamante de Pékerman uma clara mais valia para o rendimento da seleção, ao contrário do Uruguai de Tabárez que pareceu outro neste novo compromisso internacional. Lembre-se que a Colômbia venceu-os por 4-0.


    Continua a crescer a responsabilidade para esta geração do futebol colombiano. A mescla de veteranos como Yepes e Peréa como a já sólida experiência de jogadores como Gutierréz e Falcao e a juventude de James parece bastante positiva, sendo que como referi, sem a participação do Brasil nesta fase de qualificação (já que está apurado diretamente) a enorme fatia de atenção reparte-se ainda mais por equipas como a Colômbia, Chile e Uruguai, sendo a Argentina a seleção com maior palmarés e responsabilidades. Diga-se, realmente, que se uma seleção 5 vezes campeã do mundo não fosse a que atraísse mais atenção e mediatismo seria estranho... tal como vai ser em 2014.


    http://cronica-futebolistica.blogspot.pt/ e https://www.facebook.com/CronicaFutebolistica
     
  8. Saron

    Saron Novato

    Registo:
    20 Jul 2011
    Mensagens:
    175
    Gostos Recebidos:
    0
    [​IMG]
    Na passada terça-feira o Porto derrotou o Dínamo de Zagreb, hepta campeão croata. O osso mais duro de roer para as equipas restantes equipas do país de leste, porém um adversário razoavelmente acessível para a elite europeia como clubes como Porto e Benfica que possuem este estandarte (apetecendo-me debruçar para esta segunda equipa, será um tema debatido noutra altura... deixar a coisa correr primeiro).
    [/color][/size]
    Penso que é óbvio que nunca é fácil fazer deslocações a países mais estranhos, e não digo estranhos de cultura ou qualquer aspeto nacional, mas sim pela falta de conhecimento das nossas equipas (neste caso o Porto) em relação à Croácia, mais propriamente estes eternos campeões. Pois bem, numa deslocação dita como difícil e matreira o Porto venceu uma muito frágil equipa da casa (na maior parte do jogo, salvando-se um período de aperto para os campeões portugueses na etapa complementar) com Lucho a marcar um golo que o levou a um estado emocional diferente de todos os outros presentes no relvado. Uma homenagem enorme àquele que certamente fora um dos seus mentores e... seu pai.

    Lucho González marcou, de luto, o golo inaugural da equipa de Vítor Pereira no Maksimir, aquele que certamente será o mais difícil estádio croata para se jogar. No seu esquema tático habitual (e sem uma peça importante em Fernando, diga-se) de 4x3x3 Vítor Pereira lançou Defour como esperado, tendo em conta a ausência do "polvo". Para a construção de jogo da equipa era, no plano teórico, uma baixa bastante importante. Felizmente para os forasteiros não se notou tal coisa. Antes do golo viu-se como se deve saber um sinal mais a emergir para os lados portugueses, com o Porto a dominar a bola a seu belo prazer. Contra os croatas que pouca chama mostravam (e quando o tentavam fazer era imediatamente apagada por uma defesa sólida e, como habitual, um meio-campo muito trabalhador) o golo acabou por surgir com alguma tranquilidade e previsibilidade. Lucho marcou horas depois de ser lhe anunciada a morte do pai. Emocionante vê-lo a festejar o golo neste caso, presumo.

    O ponto negativo da exibição foi mesmo a pouca clarividência no último terço. Apesar das oportunidades surgirem em grande número (veja-se por exemplo que no total foram 22 remates dos dragões) faltou algo... velocidade, talvez. Força também ajudaria no caso, sendo Atsu a opção para clarificar o sector ofensivo, isto numa altura em que os croatas estavam mais atrevidos e por pouco não marcaram numa ocasião em que Hélton valeu aos azuis e brancos.

    Como esperado, Hulk fez falta na tal clarividência que falei anteriormente. Formou-se então um jogo de paciência, fundamental para esta vitória portuguesa na liga milionária. Sem a presença do jogador mais forte, possante e rápido da equipa a opção recaiu por um estilo de jogo semelhante, mas sem tanta capacidade de alterar o ritmo com uma rapidez tão grande. Um teste de fogo superado... 1 de 6 portanto. No registo estatístico verifica-se um claro domínio do Porto de Vítor Pereira, assim como uma vitória tranquila numa margem que até pode-se classificar com escassa. Notas individuais há algumas, desde o falhanço inacreditável de Jackson à exibição cheia de glamour de Alex Sandro. Numa segunda parte menos descansada o segundo golo acabaria por selar definitivamente as contas no ambiente infernal que os azuis de Portugal tiveram que suportar.

    Muito resumidamente, 4x3x3 sem Fernando que deu igualmente resultados na prática. A falta de Hulk fez-se sentir pela falta de criatividade no sector mais ofensivo, num jogo em que os croatas apenas deram de si no seu melhor período que iria surgir no meio da segunda parte, onde poderiam inclusive ter marcado. Venceu a melhor equipa, a que se superiorizou taticamente, sobretudo. Não houve argumentos da equipa que jogava no seu país, que deverá lutar pelo 3º lugar deste grupo.

    http://cronica-futebolistica.blogspot.pt/2012/09/clarividencia-ou-persistencia.html
     
  9. Saron

    Saron Novato

    Registo:
    20 Jul 2011
    Mensagens:
    175
    Gostos Recebidos:
    0
  10. Saron

    Saron Novato

    Registo:
    20 Jul 2011
    Mensagens:
    175
    Gostos Recebidos:
    0
  11. Saron

    Saron Novato

    Registo:
    20 Jul 2011
    Mensagens:
    175
    Gostos Recebidos:
    0
  12. HG11

    HG11 Top Poster aka jugador de Porto

    Registo:
    19 Jul 2011
    Mensagens:
    39.640
    Gostos Recebidos:
    134
    Parabéns,está muito bom :fixe:
     
  13. Saron

    Saron Novato

    Registo:
    20 Jul 2011
    Mensagens:
    175
    Gostos Recebidos:
    0
    Obrigado! Espero ser algo apelativo ao público geral, já que é algo acessível para fazer diariamente.
     
  14. Saron

    Saron Novato

    Registo:
    20 Jul 2011
    Mensagens:
    175
    Gostos Recebidos:
    0
  15. vitordaniel

    vitordaniel "A arte de vencer aprende-se nas derrotas."

    Registo:
    18 Jul 2011
    Mensagens:
    14.091
    Gostos Recebidos:
    54
  16. Saron

    Saron Novato

    Registo:
    20 Jul 2011
    Mensagens:
    175
    Gostos Recebidos:
    0
  17. EL_COMANDANTE

    EL_COMANDANTE Novato

    Registo:
    30 Mar 2012
    Mensagens:
    3.807
    Gostos Recebidos:
    0
  18. Saron

    Saron Novato

    Registo:
    20 Jul 2011
    Mensagens:
    175
    Gostos Recebidos:
    0
  19. Saron

    Saron Novato

    Registo:
    20 Jul 2011
    Mensagens:
    175
    Gostos Recebidos:
    0
    [​IMG]


    Sabe-se que a meio da semana os dois adversários de hoje tiveram momentos completamente distintos no que toca a compromissos europeus. Começando pelas viagens. O Porto ficou-se pelo Dragão, enquanto que o Sporting viajou até à Hungria para defrontar o Videoton de Paulo Sousa. Os desfechos dos jogos em questão também foram diferentes, não fosse o Sporting despedir Sá Pinto se este tivesse vencido em terrenos forasteiros. Já os dragões conseguiram vencer o Paris Saint-Germain com uma exibição de gala, rara nos tempos de Vítor Pereira. Agressividade, discernimento, objetividade e criatividade caracterizaram os 90 minutos portista em relvado português. As duas equipas em momentos distintos encontram-se hoje. É a guerra do curado (depois de falhar a vitória frente ao Rio Ave) e do ferido. Na teoria já se sabe como seria o desfecho, porém existe quem diz que os clássicos são jogos à parte, que ignoram completamente a corrente de jogos recentes. Noutra palavra, imprevisíveis.


    Sim, a crónica não está completa. Ler na íntegra em http://cronica-futebolistica.blogspot.pt/2012/10/o-curado-enfrenta-o-ferido.html
     
  1. Este site usa cookies. Ao continuar a usar este site está a concordar com o nosso uso de cookies.
    Fechar Aviso
A carregar...