1. Este site usa cookies. Ao continuar a usar este site está a concordar com o nosso uso de cookies. Saber Mais.

LIMITES DA FIFA AOS EMPRÉSTIMOS PROMETEM MUDAR O FUTEBOL PORTUGUÊS

Tópico em 'Notícias e Imprensa' iniciado por Carix a 26 Out 2018.

  1. Carix

    Carix Portista Divino

    Registo:
    16 Out 2011
    Mensagens:
    6.132
    Gostos Recebidos:
    1.356
    Limites da FIFA aos empréstimos prometem mudar o futebol português como o conhecemos

    O Conselho da FIFA vai votar, esta sexta-feira, um pacote de reformas no futebol que inclui a limitação do número de jogadores emprestados que cada clube pode ter, escreve o jornal A Bola.

    A ideia de limitar os empréstimos visa acabar com situações de monopólio por parte de alguns clubes, que contratam um elevado número de jogadores apenas para serem emprestados a outros clubes, que ficam em posição de inferioridade.

    No início de setembro, a AFP indicava que a FIFA pretendia limitar entre seis e oito o número de futebolistas emprestados pelos clubes em cada época desportiva – nessas contas não entram os atletas com 21 anos ou menos formados no próprio clube. O número de limite de empréstimos será, portanto, um dos assuntos em discussão esta sexta-feira.

    As alterações previstas pela FIFA vão afetar de forma significativa o futebol português. Isto porque vários clubes portugueses, em especial o Benfica, o FC Porto e o Sporting, cederam na temporada 2018/2019, a equipas nacionais e estrangeiras, um número muito superior ao que o organismo liderado por Gianni Infantino pretende impor como máximo de atletas emprestados por época.

    Segundo o jornal A Bola, na presente temporada, o Sporting tem 17 atletas com mais de 21 emprestados a outros clubes, o Benfica 13, e o FC Porto 12. O caso dos ‘leões’ explica-se pelo fim da equipa B no último verão, o que fez com que muitos jogadores que aí teriam lugar tivessem de procurar outra solução, mesmo com a criação dos sub-23.

    A ideia de limitar os empréstimos poderá, todavia, trazer riscos para os clubes ditos médios. A mesma publicação dá como exemplo o caso de Salvador Agra. Contratado pelo Benfica ao Nacional em 2017, nunca jogou pelos ‘encarnados’. Na época transata esteve cedido ao Desportivo das Aves e depois ao Granada – este ano está no Cádis.

    “Para a FIFA, será um dos exemplos de jogadores açambarcados por clubes grandes numa perspetiva de lucro, impedindo o desenvolvimento de clubes mais pequenos aos quais poderiam estar ligados. Mas na verdade, Agra chegou à Luz para pagar uma dívida que o Nacional mantinha para com o Benfica e que não tinha condições de pagar em dinheiro”, pode ler-se no jornal A Bola.

    Lá fora, o Shakhtar Donetsk, clube orientado por Paulo Fonseca, destaca-se com 18 jogadores com mais de 21 anos emprestados a outros emblemas. Seguem-se a Juventus e o Nápoles, ambos com 14.

    Outros assuntos em discussão na reunião do Conselho da FIFA, que terá lugar em Kigali, Ruanda, incluem o regresso da regulamentação sobre os empresários dos jogadores, várias medidas para tornar as transferências de atletas mais transparentes, e a introdução do mecanismo de solidariedade – pagamento de 5 por cento do valor de uma compra aos clubes formadores – para transferências dentro do mesmo país, desde que “com dimensão internacional”.
     

Partilhar esta página